Sonhos e poder de realização, qual é o segredo?

Sonhos e poder de realização, qual é o segredo?


Claro que não existe uma receita de bolo exata para conquistar sonhos, senão seria muito fácil ganhar na mega sena de primeira, encontrar a alma gêmea sem possibilidade de fases e fases de dores de cotovelo, ter saúde total de 0 a 100 anos, ser imortal, ter sucesso em tudo que se faz e tantas outras situações perfeitas que nos passam pela mente rotineiramente. Jura? Você nunca pensou em ser imortal?

 

 

Falando sério, existe um nível de sonho que quando esmiuçado em tarefas e subtarefas, por sua vez atreladas a paciência de dar pequenos passos, experimentar a solidez de onde se pisa ou se quer pisar, alimentados por audácia, pitada ou porção extra de ambição, além de comportamentos que inspirem busca e cocriação podem estruturar um bom planejamento para começar.

 

 

Uma coisa importante para nós: os sonhadores de plantão, é avaliar o quanto esses sonhos são palpáveis e atingíveis, não dá pra apostar tempo e talvez dinheiro em algo que não acreditamos profundamente que se possa tocar. O fato de acreditar e visualizar um caminho mesmo que longo, talvez cheio de desafios, que nos leve de encontro a esse desejo já colabora imensamente para que se construa ou estruture possibilidades de alcança-lo.

 

 

Sabe aquele sentimento profundo que faz o nosso cérebro repetir em voz alta para nós mesmos: eu quero, eu quero demais e faz querer pular etapas ou esperar por muita perfeição sem as pegadinhas e caminhos tortuosos comuns da vida? Pois é, ele é bom e também ruim. Explico: Bom, porque nos impulsiona na vida, nos faz querer criar objetivos e dá sentido aos dias neste plano terrestre. E pode ser ruim porque a ansiedade de se aproximar ou concluir fases importantes nos leva a deixar de sentir os sabores das pequenas vitórias, a valorizar o que os pequenos passos representam ou representaram no meio desse processo.

 

 

A ansiedade, o que ela tira de nós quando em níveis não saudáveis? Você já parou para pensar nisso? Como pessoa ansiosa que estou, estive e tento não continuar em grau máximo a cada sessão de autoconhecimento, diga-se de passagem, reflito que no meio de tantas coisas na minha vida, a ansiedade além de tirar a minha paz acrescenta o medo do fracasso, ou seja, um ciclo sem fim – sem paz, com medo, com medo – sem paz. E esse medo do fracasso impede ou, pelo menos, dificulta e muito um planejamento que tenha maiores chances de engatilhar as nossas vitórias.

 

 

Então, aprendi a repetir uma frase diante dos grandes obstáculos ou de situações que geram medo: O que de pior pode acontecer se der errado? Lógico que muitas respostas são entraves e na verdade se mostram como pontos a serem avaliados e desenrolados no sentido de prever riscos ou consequências, bem como a condição de assumir e lidar com o que virá.

 

 

Outra reflexão que me gera frutos e produz outras perguntas que possibilitam ampliar o olhar diante de escolhas: Esses obstáculos que presumo são reais?

 

 

Ou estou sendo conveniente com desejos profundos do meu ser que se resumem em curtir o ócio, querer resultados fabulosos em curto espaço de tempo e de preferência sem investimentos financeiros, realizar as coisas nos mínimos detalhes sem nenhuma chance de erro, provar para mim mesma que sou capaz de sustentar meu mundo sem que precise da ajuda de ninguém, obter reconhecimento sem tanta ralação, chegar ao ponto que fulano está em um terço do tempo e por aí vai. Pronto, falei! Quem nunca pensou coisas do tipo, qual é? Somos humanos.

 

 

Bom, resumindo essa questão dos obstáculos: penso sempre que é obrigatório levar em consideração todo o teor egocêntrico que somos capazes de gerar sobre as nossas expectativas, que claro, são sempre as melhores. Fica a dica Alecrim Dourado: refletir os obstáculos, repensar, reavaliar, são realmente empecilhos ou desculpas que criamos para justificar a falta de ação, de planejamento ou mesmo a nossa inércia e até preguiça em tomar decisões?

 

 

Então veja aqui alguns gatilhos que convertidos em perguntas colaboram para a tomada de decisão: A ansiedade quando não saudável, o que ela tira de nós? O que de pior pode acontecer se der errado? Esses obstáculos são reais?

 

 

Me arrisco a dizer que muitos de nós temos sonhos engavetados, grandes, médios e pequenos que muitas vezes estão lá forrados por uma camada espessa de reclamações. Uma gaveta cheia de sonhos, todos enterrados em lamúrias.

 

 

Mas, enfim, retomando todos esses raciocínios que venho costurando ao longo dos meus até os dias desse fatídico ano de 2021, que são 39 anos de vida, penso que querer nem sempre é poder. Eu gostaria de dizer que sim, querer é sempre poder, que você sempre vai conseguir ou que sempre consegue o que se deseja. Mas, esbarro nesse sempre e não acho justo reforçar esse tipo de coisa porque se fosse só questão de querer, sim... querer é para todos, mas alcançar o que se quer é para quem realmente se disponibiliza, assume os erros, não prevê derrotas e sim aprendizados, não tem vergonha de errar, de perder ou de se ferrar por abraçar decisões, justamente, porque sabe que se assumir os riscos e repensar os comportamentos que levou a todos os desajustes existem chances de mudar o rumo das coisas. Simplesmente, porque reconhece o caminho que fez.

 

 

Essa pessoa não culpa os outros, os governos, qualquer tipo de poder público, sua falta de conhecimento, suas companhias, os conselhos de consultores, as promessas que não lhe foram cumpridas, o tempo que se tornou perdido, as trocas que fez ao longo da vida, essa pessoa que alcança sonhos, ela realmente está disposta a avaliar seu comportamento. A pessoa que possui essa capacidade amplia o olhar por momentos ou instantes, desfoca de como gostaria que fosse e faz o que é preciso, ela leva o significado da palavra ação ao pé da letra e faz acontecer. Utiliza o que tem para realizar o atingível.

 

 

Vai ter dor, vai ter cicatriz? Farpas que vão demorar de sair? Talvez, mas e daí? Precisamos nos questionar sobre qual é o tamanho da nossa força, ou melhor, qual é o nível de força que precisamos pra mudar e o que precisamos fazer primeiramente para nos mexer e obter esse poder de realização. Olha que vale a pena pensar até qual é o nível de necessidade de mudança de zero a dez.

 

 

Porque somos tentados a nos sentir confortáveis e acomodados com o que temos, e às vezes nos enganamos com essa proposta do – eu quero, eu preciso – e não saímos do lugar porque não existe uma real necessidade, as opções são muitas e a mais fácil de todas que é estar num lugar sem incômodos, sem choro, sem dor é a mais razoável.

 

 

Pois é, aqui tem segredo e este é você quem sabe melhor do que ninguém, não tem livro de autoajuda, gurus e métodos de 7 por não sei quantos dias pra alcançar resultados de mais de 5 dígitos. E olha, não tem problema continuar olhando os sonhos enterrados na gaveta não, trata-se de escolha, mas sempre vale refletir sobre.

 

 

Já contei que a minha mãe mudou a vida dela em 8 anos e fez isso depois dos 50 quando ainda só tinha a quarta série? Pois é, um belo dia, como canta minha Diva Rita Lee... um belo dia ela resolveu mudar e fazer tudo o que queria fazer. Maria de Lourdes decidiu aos 50 estudar o ensino fundamental e o médio em dois anos, ela decidiu pelo ensino privado mesmo sem ter condições, foi lá pediu uma ajuda nessa escola e logo era a primeira da turma, passou a ganhar bolsas de estudo por mérito próprio.

 

 

Tentou vestibular aos 52 anos para pedagogia, passou, era novamente a primeira da turma e não pagava faculdade porque tinha bolsa da instituição e também do Prouni por causa das boas notas, aos 55 se não me engano assumiu uma escola fazendo uma dívida a médio prazo, ou seja, ela pegou o negócio e tinha que fazer render para quitar a dívida, sem empréstimos, com a cara e a coragem e também com a confiança que havia conquistado com sua polidez e honestidade.

 

 

E não pense que a vida dessa mulher era plena, ela tinha inúmeras demandas pessoais que lhe causaram sofrimentos que poderiam ter reduzido essa força toda que ela aplicava na busca pelos sonhos.

 

 

Bom, o negócio era uma escola infantil, então ela tinha que ter X alunos para pagar o valor mensal da dívida, mais as contas do dia a dia com estrutura, colaboradores e também para suas despesas e claro, para juntar um saldo que possibilitasse a compra do tão sonhado carro vermelho. Aquele que ela sonhou ainda quando tinha seus 13 anos de idade.

 

 

Como não ser fã dessa mulher fantástica que tive a sorte de ter como mãe?

 

 

Aos 59 anos ela adquiriu seu carro zero km na cor vermelha, um Renault, lançamento. Não foi usado, ela não tinha grandes posses, seu dinheiro era contabilizado em um caderninho, mas o seu sonho era um carro novo, qual é o problema?

 

 

Aos 61 anos de vida ela nos deixou, uma morte trágica e rápida. E toda vez que choro de saudade, busco ver além da dor da perda da minha mãe e enxergar as vitórias dela, cada uma e como ela viveu todos os seus desejos de 50 anos de vida em 10 anos. Eu aprendi com o tempo que essa é a história dela e não a minha, porque eu tinha outros espaços para construir os meus próprios sonhos do meu jeito, mas sempre me cobrei superação e ainda tenho esses resquícios porque ela é uma inspiração pra mim.

 

 

Se isso não te diz nada incrível, só posso te dizer que me diz muito. Minha mãe que assim como eu tinha pouca condição financeira quando enfrentou a vida do jeito que dava conta, exceto nas épocas em que não tinha nenhuma, mas tinha o poder em realizar e este superestimou o querer. Ela foi além e colocou nas mãos já com tantas marcas do tempo e dos serviços domésticos tudo o que ela almejou, exceto o que dependia dos outros – E aqui falo do meu pai, mas é pano pra manga e era coisa do amor deles.

 

 

O poder de visualizar um futuro e mesmo sem as tão almejadas e supervalorizadas oportunidades não foram freios para o primeiro passo dela que foi buscar conhecimento.

 

 

Ela sacrificou muita coisa, ela trocou noites de sono pelo estudo, ela reorganizou toda a rotina doméstica, ela bateu cabeça com o que não entendia, ela se especializou em ensino infantil. Se preocupava dia e noite com as filhas e também com o grande amor da vida dela. Então, pensa comigo, se o que essa mulher mostra pra nós não é uma imensa capacidade de superação, de planejar sem grandes recursos, aportes e sem apoio maior que não fosse os das pernas e da inteligência.

 

 

O fato de olhar para ela mesma, quem havia se tornado e o lugar onde estava naquele momento cinquentão, e principalmente, de ter puxado toda responsabilidade para si – olha aí o tal do locus interno, assumindo sua condição de submissa do meu pai, de um estudo fragmentado pela pobreza e falta de condição financeira e também pela condição física de ser humana - porque somos 4 filhas, e tantas outras tribulações que a Dona Maria de Lourdes enfrentou.

 

 

Quando olho pra minha história vejo que aprendi a maior lição que poderia, a de não atribuir a ninguém além de mim mesma os resultados alcançados e, principalmente, os não alcançados. Logicamente, que coisas acontecem e produzem consequências que não controlamos, mas é necessário voltar aos gatilhos racionais misturados aos emocionais, afinal, não somos máquinas: será obstáculo real mesmo? O que de pior acontecerá e cara... o que essa ansiedade toda está tirando do meu ser neste momento? Como lidar com isso? A quem devemos satisfação? Devemos?

 

 

O sucesso pode ser rápido para uns, demorado para outros, o que importa na minha humilde opinião é o caminho que cada um faz, a honra que se carrega, a dignidade que se alcança, os sonhos pequenos e médios ou grandes que são vividos.

 

 

Portanto, penso que nunca, jamais devemos deixar de olhar pra dentro, de se reconhecer ou autoconhecer, entender aonde ou ao que pertencemos e optar pelo que pode nos gerar mais expectativa de vida observando sempre o nível de força que necessitamos para fazer acontecer. Não é receita de bolo, porque a maneira como pensar e realizar cada coisa dessa é o ingrediente secreto de cada indivíduo, não está lá anotado em medidas, valores e por aí vai. O que o mundo nos dá e digo porque é o que tenho recebido, são apenas possibilidades de vida, como vai ser e o que vou fazer com cada uma depende inteiramente de mim.

 

 

E então, sonhos e poder de realização – qual é o segredo para você?

 

-----

Escrever esse artigo me fez relembrar muitas coisas as quais estavam adormecidas, rememorar a história da minha mãe como exemplo de superação foi emocionante, embarguei a voz muitas vezes durante a correção deste, mas a saudade e o orgulho da trajetória dela é demais. Espero que seja uma reflexão interessante para você que tem sonhos e quer rever seu nível de força para alcançar seus desejos! 

 

 

Não tem receita de bolo, mas existem bons gatilhos que podem nos fazer rever e repensar posturas e comportamentos. Se curtir compartilhe e não esqueça de deixar um comentário!

Ariane Galdino - jornalista, empresária e curadora do blog.crisjoias.com.br - 20/10/2021

Comentários


Larissa Durães

Ótima leitura. Nos dá força e tira o foco das dúvidas que temos. Porque temos o mal hábito de focar nas nossas dúvidas e colocarmos como obstáculos. Adorei ler a sua crônica, me fez pensar que nós somos donos do nosso destino. Afinal, somos "Nós que fazemos a cama que queremos deitar". (Ditado japonês).

23/10/2021 14:03

Crisjoias

Verdade Larissa! Obrigada por nos acompanhar. Sucesso para você.

04/11/2021 21:33

Livia Gusmão

Excelente reflexão!!!! Sempre muito bom ouvir ideias que podem nos favorecer.

23/10/2021 16:22

Crisjoias

Obrigada Lívia! Continue nos acompanhando.

04/11/2021 21:31

Carmem Silvia Holanda

Bela história a de Dona Lourdes.Guerreira e vitoriosa com as filhas lindas que teve.Está lá de cima cuidando de todas.Vc ,Ariane ,é bem guerreira tbm.Deus abençoe todas vcs.

24/10/2021 21:56

Crisjoias

Amém Dona Carmem, obrigada por acompanhar sempre e, principalmente, pelo carinho, Deus te abençoe muito.

04/11/2021 21:31

Junior

Na " filosofia da vida real ", a história de sua mãe me fortalece a mudar a minha.
Muito obrigado por este momento !

24/10/2021 22:17

Crisjoias

Que bom amigo! Fico feliz por ela continuar sendo inspiração. Desejo sucesso e força na sua trajetória.

04/11/2021 21:29

Josianne Sindeaux

Exemplos de superação, amor e autenticidade.
Somos movidas por amor, cuidados e exemplos. A dor da perda precoce, de uma vida com muitos sonhos a realizar nos faz acreditar e almejar dias melhores. Você é o resultado de muitos dos esforços de sua mãe. Sonhar, correr e conseguir, sem deixar de amar, enxergar e sonhar.
Uma ótima leitura. A ansiedade é um mal que atrapalha, mas também norteia. Lendo todo o texto foi possível ver que está conseguindo conviver e driblar bem esse danado. Você é luz Ariane, siga em frente. Abraços

25/10/2021 12:36

Crisjoias

Que lindo! Obrigada Josi pelo carinho e motivação. Li com olhos marejados. Deus a abençoe, abraços!

04/11/2021 21:28

Luciana Nobre

Lila, que honra ler tudo que você escreveu aqui, seus pensamentos e amadurecimento sobre a evolução da vida e suas percepções! Lembrar da luta e trajetória de tia Lourdes é simplesmente incomparável e infinitamente aplausível! Sempre a amei muito e a respeitei com muito carinho e amor, sempre dizia a ela o quanto era importante e admirável para mim. Que saudade grande da minga tia linda

29/01/2022 23:23

Crisjoias

SIm Lu, ela nos deixou um legado não só de perspectivas perfeitas mas imperfeitas também, nos ensina até hoje através de acertos e erros, era um mulher forte e que crescia com o caos. Tenho muito orgulho de toda a história dela e que bom que você a vê assim também, obrigada por tanto carinho.

28/03/2022 00:50

Sobre


Conheça um pouco mais da história da Cris Joias e do nosso Blog Há 27 anos no mercado, a Cris Joias solidificou uma trajetória de empreendedorismo e referência na venda de joias, relógios e semi-joias e mais do que isso, na maneira como oferece experi&e...
Continuar lendo

Redes Sociais


Arquivos do Blog


2022
2021
2020
2019